Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Taxa Selic: o impacto da redução para o consumidor final levam de seis a nove meses

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Em decisão nesta última quarta-feira (20), o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central cortou os juros do país em 0,5 ponto percentual. Com isso, a Selic caiu de 13,25% para 12,75%, na segunda queda consecutiva dos juros, chegando ao menor patamar desde maio de 2022.

Apesar do reajuste, o Brasil ainda está entre os líderes da lista de países com as maiores taxas de juros. Este indicador é calculado a partir do abatimento da inflação prevista para os próximos 12 meses. Agora, o país se encontra na 2ª colocação, perdendo unicamente para o México no ranking que compara as taxas das 40 maiores economias. 

No cenário de investimentos, o impacto da redução é a longo prazo. De acordo com a estimativa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), vai ocorrer uma pequena queda nas principais modalidades de crédito usadas pelo consumidor brasileiro. Para Fernando Lamounier, educador financeiro e diretor de novos negócios da Multimarcas Consórcios: 

“Os primeiros efeitos da queda da Selic levam de seis a nove meses para serem sentidos tanto pela população, como para o mercado”. 

De forma prática para o brasileiro real, na compra de uma geladeira de R$1,5 mil em 12 parcelas, o consumidor iria pagar no final R$2.090,85 e com a queda vai pagar R$2.086,20, uma redução de apenas R$4,65. No financiamento de um automóvel de R$ 40 mil por 60 meses, o comprador pagará R$11,31 a menos por parcela, totalizando uma queda de R$678,30 no total da operação.

Na utilização de R$3 mil do rotativo do cartão de crédito por 30 dias, o cliente pagará R$ 1,20 a menos. No uso do cheque especial em R$1 mil por 20 dias pagará R$ 0,27 a menos. Já em um empréstimo no banco de R$5 mil em 12 meses sairá de R$6.426,56 para R$6.411,69, uma queda de apenas R$14,87. 

Leia mais  Sem mudanças: Copom decide por manter taxa de Selic em 13,75%

O especialista explica que a taxa Selic não é a mesma cobrada no crédito no dia a dia dos consumidores, uma vez que para o cliente, há diversas outras taxas a serem adquiridas, as quais envolvem outros riscos e o próprio lucro da instituição. 

“Para o consumidor final, portanto, não propõe alívio significativo e o crédito continua caro. O recomendado é que, ao realizar compras, os parcelamentos e financiamentos não sejam a longo prazo”, destaca

Lamounier ressalta que a mudança no cenário macroeconômico brasileiro foi comedido e não acarretou em grandes impactos positivos para a população. 


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais  Bancos não repassam cortes da Selic e juros seguem estáveis

Leia mais

Campos Neto diz que Selic a 10,5% é “suficientemente alta”

Paola Rocha Schwartz

Banco Central provoca governo com referência a “Divertidamente”

Paola Rocha Schwartz

O “cobertor curto” da economia brasileira em 2024

Autor Convidado

Ibovespa sobe 0,25% apesar de declarações de Lula

Rodrigo Mahbub Santana

Situação fiscal do Brasil piorou, apontam economistas

Rodrigo Mahbub Santana

COPOM mantém taxa Selic em 10,50% ao ano por unanimidade

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário