Guia do Investidor
Qual a definicao de consumidor
Colunistas

40% mais gastos a partir da personalização de mensagens

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Uma das situações que me impactam positivamente enquanto consumidor é quando uma marca se relaciona comigo como se fôssemos velhos amigos. A empresa entende minhas preferências, antecipa meus desejos e os contatos são feitos nos melhores momentos. Essa hiper personalização é o que faz com que clientes como eu provavelmente gastem 40% a mais do que haviam planejado.

Para o varejo este é um passo a mais. Hoje, apenas o nome e o histórico de pesquisa do consumidor já não são suficientes para garantir uma comunicação assertiva, fidelização e conversão. É necessário coletar dados comportamentais de navegação, uso do aplicativo, uso de dispositivos, os dados de engajamento, os dados de compra, as pesquisas e carrinhos de compras. E fazer isso em tempo real. Essas informações são verdadeiros insights para o planejamento de estratégias, campanhas e envio de lembretes, comunicados e ofertas de produtos e serviços.

E tudo isso, somado aos amplos usos da inteligência artificial, aprendizado de máquina e análise preditiva, faz com que a tecnologia seja vital para qualquer negócio de sucesso.

Mas, como manter o consumidor engajado? Não se fala em outra coisa, não é mesmo?! Para se relacionar verdadeiramente com seu público-alvo e tornar-se referência, é importante valorizar as ferramentas que promovam envolvimento. Assim é possível trabalhar com a hiper personalização em todas as etapas da jornada de consumo.

De acordo com o Relatório State of Insights-Led Engagement (MoEngage 2022), aproximadamente 21% das marcas de consumo globalmente implantam uma plataforma multicanal de engajamento do cliente. Já aproximadamente 18% usam uma plataforma de automação de marketing para proporcionar uma experiência ainda superior.

Leia mais  Especialista dá dicas para fazer boas compras e fugir de fraudes

Em um ambiente digital, onde não é possível proporcionar um atendimento face to face, como no varejo presencial, o desafio é entender e implementar as dicas dadas pelo consumidor. As chamadas “pegadas digitais” são essenciais para que o comércio entenda seu consumidor e possa acompanhá-lo em seus interesses e antecipar desejos.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Com a junção do comércio eletrônico à experiência presencial, o consumidor “figital” pode usar aplicativos que irão conduzi-los às lojas físicas, atendimentos personalizados e conferir o catálogo de produtos. A estratégia de utilizar multicanais aperfeiçoa a comunicação e cria um consumidor holístico, gerando uma satisfação acima da média. É quando a marca sabe o momento certo para fazer uma oferta relevante do produto certo para aquele consumidor.

Leia mais  Amazon briga com gigantes do Varejo

As marcas podem impulsionar a promoção de novos produtos a partir de campanhas omnichannel para diferentes segmentos de consumidores; acionar recomendações personalizadas para compradores interessados ​​por meio de notificações push, e-mail ou SMS; melhorar as conversões reduzindo o abandono do carrinho ao criar estratégias de reengajamento, como descontos instantâneos via notificações push; anúncios de redirecionamento de mídia social, entre outros; além de coletar feedback do consumidor instantaneamente por meio de e-mails.

Os varejistas observaram um aumento de 25% na receita devido a seus recursos avançados de personalização (Índice de Maturidade de Personalização do Boston Consulting Group). Além disso, 110% dos clientes disseram que provavelmente adicionariam mais itens ao carrinho de compras se a experiência fosse personalizada;

As marcas querem ser valorizadas e conseguem isso de forma assertiva quando segmentam a mensagem e oferecem uma jornada de compra descomplicada. A MoEngage analisou que mensagens inconsistentes, recomendações de produtos irrelevantes e muitas ou poucas mensagens das marcas frustram os consumidores. No final do dia, o que eles buscam é um serviço de valor agregado, com uma experiência personalizada com base no histórico e interesses anteriores.

Leia mais  "Banco não terá como ser responsabilizado se o próprio consumidor entrou em contato com o estelionatário e caiu no golpe", analisa advogado

A palavra de ordem é flexibilidade. É preciso acompanhar as mudanças no comportamento de compra, interesses e encontrar maneiras de aprimorar sua estratégia para atender às expectativas dos consumidores. E a personalização é a necessidade do momento para qualquer marca que deseja elevar sua relação com os compradores.

Por Daniel Simões, General Manager da MoEngage para LatAm. Anteriormente em atuação como Country Manager Brasil da AppsFlyer, o executivo tem passagem por empresas como McKinsey & Co, Grupo Estado e Internet Securities.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Taxação das blusinhas recebe novas regras

Márcia Alves

Alta de preço de streamings impacta bolso do consumidor

Guia do Investidor

SHEIN vê retrocesso na taxação de compras abaixo de US$ 50

Guia do Investidor

Shein, Shopee e Aliexpress são acusadas de “colocarem saúde do consumidor em risco”

Márcia Alves

Taxar compras: populismo tributário ou proteção econômica?

Autor Convidado

Brasileiro se diz aberto para usar novas formas de pagamento

Guia do Investidor

Deixe seu comentário