Guia do Investidor
Bolsas europeias caem mas Ibovespa futuro abre em alta
Notícias

Bolsas de NY fecham em baixa à espera da ata do Fed

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Mercado acionário de NY encerra no vermelho aguardando ata do Fed e resultados da Nvidia, em dia de agenda econômica leve.

Em uma sessão marcada pela cautela e uma agenda econômica esvaziada, as bolsas de Nova York terminaram o dia em baixa. O foco dos investidores esteve voltado para a iminente divulgação da ata do Federal Reserve (Fed) e os resultados trimestrais da Nvidia, agendados para a próxima quarta-feira. O Dow Jones, o S&P 500, e o Nasdaq registraram quedas, refletindo a tensão no mercado.

A expectativa em torno dos direcionamentos do Fed e o desempenho da Nvidia, especialmente em um momento em que as ações de tecnologia e inteligência artificial ganham destaque, dominaram as discussões. Além disso, a valorização recorde da Walmart após superar as expectativas de lucro e receita adicionou uma dimensão positiva ao dia, contrastando com a performance geral do mercado.

Queda das Ações Antecipa Divulgação de Resultados da Nvidia e Ata do Fed

As bolsas de Nova York encerraram em baixa nesta terça-feira, refletindo a ansiedade do mercado antes da divulgação da ata do Federal Reserve e dos resultados trimestrais da Nvidia.

O dia, marcado por uma agenda econômica relativamente vazia, viu o Dow Jones recuar 0,17%, enquanto o S&P 500 e o Nasdaq registraram quedas de 0,60% e 0,92%, respectivamente. A performance das ações da Nvidia, que recuaram 4,35%, destacou o nervosismo dos investidores em relação ao futuro do setor de tecnologia e, mais especificamente, ao segmento de inteligência artificial.

Analistas e investidores aguardam com expectativa os resultados da Nvidia, antecipando que a empresa apresente números robustos e um guidance otimista, o que poderia reforçar a confiança nas ações de tecnologia.

Leia mais  NY e Ibovespa têm ganhos modestos em dia de agenda esvaziada e pressão das commodities

A valorização das chamadas Magnificent Seven (Meta, Microsoft, Nvidia, Apple, Alphabet, Amazon, e Tesla) sugere uma aposta consistente no papel da IA como um vetor fundamental de mudança, sem, no entanto, caracterizar uma bolha especulativa, segundo analistas.

Por outro lado, a Walmart surpreendeu positivamente o mercado, com suas ações atingindo o nível mais alto da história após a divulgação de um balanço que superou as expectativas de lucro e receita.

Esse movimento contrasta com a performance mais moderada da Home Depot, que registrou uma leve alta apesar de algumas decepções com as vendas.

Impacto Global e Local: Corte de Juros na China e Movimentações Políticas no Brasil Influenciam Câmbio

A sequência de quedas do dólar frente ao real, que marcou o quarto dia consecutivo de baixa, reflete uma combinação de fatores globais e locais que impactam diretamente o mercado cambial. A decisão da China de reduzir os juros de referência para cinco anos para 3,95% – um movimento maior do que o esperado – gerou uma onda de otimismo nos mercados emergentes, incluindo o Brasil. Este corte de juros busca estimular a economia chinesa, mas teve efeitos além das fronteiras, influenciando a valorização das moedas frente ao dólar.

Leia mais  Dow Jones e Nasdaq atingem máximas históricas

Por outro lado, a estabilidade da taxa de juros de um ano pelo Banco Central Chinês por seis meses seguidos trouxe uma mistura de reações, com alguns investidores mostrando decepção, especialmente no setor de commodities, crucial para economias como a brasileira.

No cenário nacional, a retomada das atividades legislativas em Brasília e as discussões em torno de políticas fiscais, como a reoneração da folha de pagamentos, destacam a influência da política interna no câmbio. A reunião do presidente Lula com ministros e líderes governamentais no Congresso para definir a agenda legislativa do Executivo sinaliza um esforço em direcionar as políticas econômicas para estimular o crescimento e a estabilidade.

A expectativa pela divulgação da Ata do Federal Reserve (Fed) também contribui para o cenário de incerteza e expectativa, com investidores aguardando possíveis sinalizações sobre a direção da política monetária nos Estados Unidos.

No fechamento, o dólar à vista fechou em baixa de 0,61%, a R$ 4,9316, após oscilar entre R$ 4,9254 e R$ 4,9645. Às 17h04, o dólar futuro para março caía 0,54%, a R$ 4,9360. Lá fora, o índice DXY perdia 0,18%, aos 104,074 pontos. O euro subia 0,25%, para US$ 1,0806. E a libra ganhava 0,18%, a US$ 1,2619.

Leia mais  Bolsas de NY fecham em Alta; Ibovespa supera 117 Mil com medidas da China e JCP
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Gringos já sacaram R$ 25,21 bi da bolsa este ano

Márcia Alves

Bolsas de NY recuam após alta inicial; Techs lideram correção

Guia do Investidor

Petrobras arrasta Ibovespa para baixo após cortar dividendos

Guia do Investidor

Ibovespa fecha em baixa, Petrobras e bancos pressionam; CSN lidera

Guia do Investidor

Techs lideram em NY com entusiasmo por IA; S&P500 e Nasdaq disparam

Guia do Investidor

Ibov sobe com destaque para Vale e Petrobras; Casas Bahia em queda

Guia do Investidor

Deixe seu comentário