Guia do Investidor
investimentos responsaveis o que sao definicao criterios e como investir 5
Colunistas

Desafios para investidores profissionais e amadores nos dias de hoje

O mundo de investimentos está sempre em transformação, mas nossa impressão é que nos últimas 10 anos as mudanças foram muito mais relevantes, e impuseram dificuldades significativas para profissionais, e obviamente para os amadores também.

O fato é que o mundo em si mudou muito. Temos hoje uma demografia muito pior, com estimativas da população crescer bem menos e ficar mais velha rapidamente. O crescimento econômico global tende a ser mais baixo. Este aspecto é um fato novo que muitas gerações de investidores não viram acontecer, e poucos dão a devida importância.

Desde o pós-guerra (1945), o mundo como um todo teve forte crescimento populacional e de PIB. Num ambiente como este, obviamente existem riscos e é possível perder dinheiro. Mas, de maneira geral, é um ambiente mais fácil de ganhar algo ou perder pouco quando se está comprado em com visão de longo prazo.

Olhando para o que passou e analisando o presente – juntamente com as questões demográficas –, tivemos uma impressionante mudança do lado macroeconômica, A atuação dos Bancos Centrais e o tamanho do balanço destes cria distorções nunca antes vistas. A saída de crises, por exemplo, será muito diferente do que no passado. O ponto de partida é muito diferente de décadas anteriores, o que faz com que a para o futuro dificilmente possa ser análoga a outros momentos históricos.

Cabe ao gestor e investidor a capacidade de interpretar o momento atual, o ponto de partida, e tentar projetar como as variáveis vão se comportar para frente. Para nós parece um trabalho mais complexo, meio que entrando num mundo desconhecido ainda.

Leia mais  Ouro: vale a pena investir em 2022?

Junto a isto, temos visto muitas gestoras e investidores “competindo” pelos mesmos . E um mundo com pessoas cada vez mais imediatistas. O número de investidores dedicando-se ao mercado acionário, assim como o número de gestoras, cresceu exponencialmente, a uma taxa muito maior do que o crescimento da e de disponíveis para serem “investidas”. Isto naturalmente gera uma competição maior pelos mesmos ativos, o que dificulta o trabalho de se encontrar boas assimetrias de valor ajustadas ao risco.

Outro ponto é: a impressionante expansão do balanço dos bancos centrais ao redor do mundo, e a manutenção por períodos relativamente longos de taxas de próximas a zero, empurraram cada vez mais os investidores para posições de maior risco. Investidores individuais se aventuram com mais relevância no investimento direto em ações. E gestores profissionais recebem grandes volumes de recursos, e acabam sendo quase que obrigados a comprar algo, mesmo porque o seu cliente está “contratando” ele para tomar risco e tentar gerar ganhos positivos.

Grande liquidez disponível e informações muito mais detalhadas sobre empresas e setores tornam o ciclo de negócio das empresas nas quais investimos mais desafiador. A concorrência para estas “chega” mais rápido e mais agressiva em negócios que começam a se destacar. É mais difícil construir e manter diferenciais competitivos relevantes.

Para ilustrar um pouco o que mudou, muitas vezes escutamos investidores falando sobre “a que compraria para 10 anos”. Para nós não dá mais para investir com este tipo de racional. Não é que seja impossível comprar uma e ter resultados muito bons ao longo de 10 anos. Mas, sim, que é necessária muito mais atenção e reavaliação da decisão de continuar investido muito mais frequente. E o número de empresas que vai ser possível ficar investido com sucesso ao longo de um período tão longo é menor que no passado.

Leia mais  5 conselhos essenciais para iniciantes na Bolsa

Atualmente a informação é mais acessível para todos. Muito conteúdo que antes era disponível apenas a investidores profissionais e o acesso ao direto management das empresas, agora estão à disposição de um espectro bem mais amplo de pessoas. A democratização da informação é sempre um fator positivo, mas também tem suas consequências negativas. Mais gente competindo e com mais acesso à informação também torna difícil encontrar assimetrias atraentes de risco/retorno.

As mídias sociais, como parte do fluxo de informações, ilustram bem isso. Management de empresas muito focados no curto prazo, muito influenciados pelas redes sociais ou pela tela do Bloomberg, e em fazer o que o mercado pede. Para o investidor individual, com histórico ainda limitado das empresas e de mercado de maneira geral, fica difícil diferenciar aspectos como este.

Todos estes fatores juntos na nossa leitura tornam o trabalho de investir hoje em dia mais complexo. Obviamente não estamos advogando para uma volta no contexto anterior, onde a informação estava na mão de um grupo menor de pessoas, e o universo de investidores era mais restrito. Mas, ao elencar os pontos acima, o nosso único objetivo é alertar para o tamanho do desafio para o investimento como um todo, mas principalmente em ações num mercado mais restrito como o brasileiro. E tentar chamar a atenção para os cuidados necessários, que de maneira geral valem tanto para investidores individuais como gestores profissionais.

Leia mais  Análise da Romi: é hora de comprar ou vender?

Por Tomás Awad é sócio-fundador da 3R

LULA OU BOLSONARO? Não corra o risco das eleições no Brasil: abra sua conta no exterior e proteja seu patrimônio

Recomendações no seu e-mail

Nossas redes:

Leia mais

Desaceleração leva investidores para segmentos tradicionais, diz especialista

Guia do Investidor

Desaceleração leva investidores para segmentos tradicionais, diz especialista

Guia do Investidor

Conservador, moderado ou arrojado: qual é o meu perfil de investidor

Guia do Investidor

Grupo Sabin anuncia novo investimento na startup Pickcells

Guia do Investidor

Número de mulheres que investem na bolsa de valores cresce mais de 700% em dez anos e ultrapassa 1,1 milhão

Guia do Investidor

Deixe seu comentário