Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Dólar em alta após mínima de R$4,85; importadores e multinacionais aproveitam

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Dólar sobe após atingir mínima, impulsionado por importadores e multinacionais devido a câmbio favorável e dados econômicos dos EUA.

Após atingir sua mínima de R$ 4,85 na manhã de sexta-feira, o dólar experimentou um aumento, encerrando o dia em alta em comparação com o real. Esse movimento vai na contramão do comportamento da moeda em mercados internacionais. A alta foi influenciada pela ação de importadores e empresas multinacionais, que aproveitaram o câmbio favorável para antecipar pagamentos e remessas de dividendos.

Além disso, a divulgação de um IBC-Br mais fraco do que o esperado gerou incerteza, levando a um aumento na procura pelo dólar. Globalmente, a moeda norte-americana continuou sua tendência de queda frente às principais moedas, após indicações de que o Fed pode não aumentar mais os juros.

Dólar fecha em alta no Brasil em meio a antecipação de pagamentos por importadores e movimentações de multinacionais

O mercado cambial brasileiro vivenciou um dia atípico nesta sexta-feira, com o dólar subindo após ter atingido a mínima de R$ 4,85 pela manhã. Fechando a R$ 4,9059, a moeda americana se descolou da tendência de queda observada no cenário internacional.

Esse aumento foi impulsionado principalmente pela movimentação estratégica de importadores e multinacionais. Com o câmbio favorável, importadores brasileiros anteciparam o pagamento de operações, enquanto empresas multinacionais aceleraram o envio de remessas de dividendos para o exterior.

Leia mais  Dólar cai frente ao real apoiado por fluxo de capital estrangeiro e expectativa de queda da Selic

Paralelamente, a divulgação de um índice de atividade econômica brasileira (IBC-Br) abaixo das expectativas gerou desconforto entre investidores, levando a uma recomposição de posições defensivas no câmbio.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Internacionalmente, o dólar seguia em queda após a divulgação de dados de inflação nos Estados Unidos, reforçando a expectativa de que o Federal Reserve (Fed) não elevará mais as taxas de juros. A perspectiva de um “pouso suave” da economia americana em 2024 e o potencial início de um ciclo de afrouxamento monetário no próximo ano também contribuíram para a queda da moeda.

Leia mais  Dólar fecha em baixa apoiado pelo fluxo

Apesar do aumento no final do dia, o dólar acumulou uma leve baixa de 0,18% na semana, refletindo a tendência de desvalorização no mês de novembro, que já chega a 2,69%. No mercado futuro, o dólar para dezembro apresentou alta de 0,82%, fechando a R$ 4,9125. Enquanto isso, no cenário global, o índice DXY, que mede o desempenho do dólar frente a uma cesta de moedas, caiu 0,40%, para 103,932 pontos. O euro e a libra esterlina também registraram ganhos frente ao dólar, reforçando a tendência de desvalorização da moeda americana em relação aos seus principais pares.

Mercados de NY encerram semana com estabilidade; Ibovespa avança, mas perde ímpeto no fim do dia

Em uma sexta-feira marcada pela volatilidade, as bolsas de Nova York fecharam praticamente estáveis, refletindo um cenário de incertezas e expectativas quanto à política monetária do Federal Reserve.

O Dow Jones subiu marginalmente, enquanto o S&P 500 e o Nasdaq registraram avanços leves, mas significativos. Os índices acumularam ganhos expressivos durante a semana, sustentando uma tendência positiva pelo terceiro período semanal consecutivo.

No mercado de títulos, os retornos dos Treasuries mostraram um comportamento misto. Enquanto o juro do T-bond de 30 anos teve uma queda, as taxas das T-notes de 2, 5 e 10 anos apresentaram aumentos variados, refletindo a complexidade do ambiente econômico atual.

Leia mais  Dólar cai pelo quinto dia consecutivo e fecha a R$ 5,09 com clima positivo no exterior e anúncio de arcabouço fiscal

No Brasil, o Ibovespa teve um desempenho descolado dos mercados internacionais durante boa parte do dia, impulsionado principalmente pelo desempenho da Petrobras e outras petrolíferas. No entanto, o índice não conseguiu sustentar a alta até o fechamento do pregão, encerrando com um ganho modesto e abaixo dos 125 mil pontos.

Apesar dessa perda de ímpeto no final do dia, o Ibovespa registrou um aumento acumulado de 3,49% na semana. O volume financeiro do dia foi robusto, somando R$ 27,7 bilhões, um indicativo da intensa atividade no mercado de ações brasileiro.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Ibovespa abre em queda e Eletrobras inicia com sinais trocados

Paola Rocha Schwartz

Dólar dispara frente ao Real com impacto de decisões da Petrobras

Guia do Investidor

Dólar recua após Powell e Lagarde manterem expectativas sobre juros

Guia do Investidor

Powell sinaliza cortes de juros e dólar recua

Guia do Investidor

Dólar sobe em dia de incerteza nos EUA e China

Guia do Investidor

Dólar cai; mercado aguarda China, Powell e payroll

Guia do Investidor

Deixe seu comentário