Guia do Investidor
GuerraEConflitoFreepik
Notícias

Economista prevê aumento do petróleo e dólar após ataque do Irã

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A perspectiva de um ataque do Irã contra Israel deve gerar uma imediata alta nos preços do petróleo e fortalecimento do dólar. Isto, segundo análise do economista André Perfeito em comentário enviado a clientes.

Por sua vez, isto limitaria o espaço para cortes de juros tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil.

Irã confirma ofensiva com drones e mísseis contra Israel em retaliação ao ataque aéreo que destruiu seu consulado em Damasco no início do mês. A ação resultou na morte de membros da Guarda Revolucionária iraniana, incluindo um general.

André destacou que, embora houvesse expectativa de um iminente ataque do Irã a Israel, “o mercado não reagiu de acordo” ao longo da semana. Ele expressou a opinião de que “é bastante provável que o conflito se intensifique na região”.

Em caso de escalada do conflito, Perfeito aponta seguintes efeitos de curto prazo:

  • Forte aumento nos preços do petróleo na próxima semana;
  • Os Estados Unidos provavelmente não cortariam as taxas de juros como esperado, contudo, devido à valorização das commodities;
  • Taxas de juros mais altas nos EUA resultariam em um dólar mais forte, assim, em relação a outras moedas globais;
  • Com o dólar mais valorizado e os juros nos EUA mantidos, o Banco Central brasileiro teria menos margem para cortar a taxa Selic;
  • E no entanto, empresas vinculadas a commodities poderiam se beneficiar desse cenário.

“Isto é que podemos pensar num primeiro momento e temos que avaliar o conjunto dos desdobramentos ao longo da semana”, alertou André Perfeito.

O economista descreve o cenário atual como “caótico”, embora não necessariamente destrutivo para o Brasil no “médio prazo”, devido à sua posição como exportador líquido de petróleo. Ele observa que as commodities têm a tendência de se valorizar em períodos de conflito, o que poderia beneficiar o país.

Leia mais  Petróleo impulsiona ganhos; Casas Bahia lidera baixas

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

“O Brasil está simplesmente longe demais deste conflito, tanto geograficamente quanto politicamente”, acrescentou André. “O Brasil pode se beneficiar no médio prazo e digo isso para evitar uma posição vendida acima do desejado em ativos locais.”

Petróleo caindo

Apesar das preocupações com a possível escalada do preço do petróleo após o ataque do Irã contra Israel no sábado (13), as cotações do produto iniciam a semana sem grandes sobressaltos.

Leia mais  Petróleo fecha em alta: expectativas de estoque e demanda influenciam mercado

Na manhã desta segunda-feira (15), por volta das 7h30, os preços estavam até em baixa: o barril do óleo tipo Brent recuava 0,8%, cotado a US$ 89,73, enquanto o óleo tipo WTI caía 0,9%, com preço de US$ 84,89.

Um relatório divulgado pelo banco australiano ANZ anteriormente indicava que não esperava uma reação imediata nos preços do petróleo após o ataque do Irã a Israel, considerando que o prêmio de risco geopolítico já estava “elevado”.

Nesse contexto, a instituição continua a manter o preço-alvo para o barril do Brent no curto prazo em US$ 95.

“Esperamos que a reação inicial dos mercados petrolíferos seja moderada. O ataque foi bem telegrafado e parecia planejado para infligir danos mínimos. O Irã também deixou claro que considera que se trata do fim do atual ciclo de escalada”, escreveu o banco australiano. “Só num caso extremo vemos que isso terá um impacto realista nos mercados petrolíferos.”

O ANZ observa que mesmo em caso de interrupção no fornecimento de petróleo do Irã, a OPEP reafirmou sua política de abastecimento, mantendo capacidade ociosa para responder a qualquer falha no fornecimento.

Riscos geopolíticos

Apesar da reação inicial relativamente calma do mercado de petróleo, a consultoria de energia norueguesa Rystad Energy destacou que o ataque do Irã contra Israel aumentou consideravelmente o risco geopolítico envolvendo esse mercado. Portanto, a instituição observou que na semana passada os preços da commodity já estavam 10% acima do valor justo, estimado em US$ 84 o barril.

O índice de Risco Geopolítico da Rystad Energy continuou crescendo, alcançando 1,35 na segunda semana de abril, o nível mais alto desde o início de 2024.

“Ao focar apenas nos dias 13 e 14 de abril, até 14h do Reino Unido, o Índice de Risco Geopolítico saltou ainda mais para 1,41”, disse a consultoria.

A Rystad sugere que o ataque do Irã em Damasco foi uma ‘retaliação medida’ contra Israel, apesar da não reivindicação do ataque pelo país. A consultoria acrescentou que a representação do Irã na ONU declarou o assunto como encerrado, indicando que não haverá mais ações.

Leia mais  Petrobras: Ação cai mais de 2% - Braskem em alta

A consultoria ressaltou a incerteza em relação à resposta das forças de Israel, considerando vários cenários possíveis. “O resultado mais favorável seria a redução das tensões, com os Estados Unidos desempenhando um papel crucial”, afirmou.

No entanto, é improvável que o prêmio de risco geopolítico caia para os níveis anteriores a 1º de abril sem indicações mais consistentes.

“Sob tais circunstâncias, os prêmios geopolíticos aumentariam significativamente”, apontou a consultoria, acrescentando que se os EUA aplicarem novas sanções ao Irã podem afetar ainda mais os preços do petróleo no mercado global, aumentando as pressões econômicas existentes.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Cyber Guerra: ditaduras como Rússia, China e Irã atacam Israel

Guia do Investidor

ConocoPhillips adquire Marathon Oil em negócio de US$ 17 bi

Paola Rocha Schwartz

Ibovespa cai e distribuição de JCP pelo BB: Confira o resumo do dia

Rodrigo Mahbub Santana

Petróleo sobe com tensões geopolíticas e perspectivas de oferta

Paola Rocha Schwartz

Petrobras prevê balanço do 1T24 com desempenho negativo

Paola Rocha Schwartz

Enauta divulga dados operacionais de abril

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário