Guia do Investidor
novo logo casas bahia
Notícias

Casas Bahia entrou com pedido de recuperação extrajudicial

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • Casas Bahia está prestes a anunciar pedido de Recuperação Extrajudicial
  • A aprovação do pedido ocorreu de antemão, o que praticamente elimina todos os riscos associados a esse tipo de procedimento
  • Para a aprovação, portanto, seria necessário alcançar um quórum mínimo de 50% mais 1

O Grupo Casas Bahia está se preparando para anunciar oficialmente sua entrada com um pedido de recuperação extrajudicial, conforme fontes informaram ao Brazil Journal. Esta medida, menos complexa que a recuperação judicial tradicional, visa possibilitar à varejista estender suas dívidas e diminuir seus encargos financeiros.

As fontes afirmam que a aprovação do pedido ocorreu de antemão, o que praticamente elimina todos os riscos associados a esse tipo de procedimento. Na tarde de ontem (28), a Casas Bahia concluiu a assinatura de um contrato com seus dois principais credores, o Bradesco e o Banco do Brasil. Juntos, eles detêm 66% das dívidas a serem incluídas na recuperação extrajudicial, assim, estabelecendo todos os termos da transação.

Para a aprovação, seria necessário alcançar um quórum mínimo de 50% mais 1. A recuperação extrajudicial da Casas Bahia abrangerá suas quatro debêntures em circulação e as CCBs com o Bradesco e Banco do Brasil.

Essas dívidas, portanto, totalizam R$ 4,1 bilhões, sendo que os CCBs correspondem a R$ 2,2 bilhões. O Bradesco e o BB também possuem R$ 500 milhões em debêntures da Casas Bahia através de suas assets, totalizando 66%. Além dessas obrigações, a empresa tem outros R$ 5 bilhões em operações de ‘risco-sacado’ e CDCIs, utilizados para financiar seu crediário.

Ao contrário de uma recuperação judicial (RJ), a recuperação extrajudicial (RE) tem um escopo limitado, não afetando outras dívidas da empresa, que permanecerão sendo pagas. Além disso, a RE não influencia a relação da empresa com seus fornecedores e clientes, e tem uma duração significativamente mais curta. Espera-se concluir a recuperação em 1 ou 2 meses.

Leia mais  Casas Bahia (BHIA3) lidera quedas; BRF se destaca em alta

A operação

Uma fonte próxima à empresa revelou que a operação proporcionará um alívio de caixa significativo para a Casas Bahia, aumentando, contudo, a duração da dívida e reduzindo consideravelmente seu custo financeiro. O prazo médio dessas obrigações aumentará de 22 meses para 72 meses, resultando em uma queda de 1,5 ponto percentual no custo.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

A Casas Bahia tem R$ 4,8 bilhões (entre principal e juros) para pagar nos próximos quatro anos, com vencimentos distribuídos entre 2023 e 2027. Após a recuperação extrajudicial (RE), no entanto, seus primeiros desembolsos ocorrerão em 2026, totalizando R$ 1,5 bilhão até 2030.

Leia mais  BHIA3: Ação das Casas Bahia dispara no pré-feriado

Atualmente, o custo médio das dívidas é de CDI + 2,75%. Após a recuperação extrajudicial (RE), a Casas Bahia terá apenas uma debênture com duas séries: uma com custo de CDI + 1,5% e a outra com CDI + 1%. Esta redução nas taxas resultará em uma economia de juros estimada em cerca de R$ 400 milhões, ou seja, R$ 60 milhões anualmente. Para atrair mais os credores, parte da segunda série (63% do total) poderá ser convertida em equity entre 18 e 36 meses após a conclusão da operação.

Durante esse período, os credores terão a opção de converter a dívida ao final de cada trimestre, com um desconto de 20% do valor médio transacionado nos 90 dias anteriores. Para ser elegível para a conversão, os credores devem manter as condições atuais de outras linhas de crédito com a empresa ou fornecer novo financiamento.

Conforme uma das fontes, mesmo sem a recuperação extrajudicial, a Casas Bahia teria capacidade financeira para cumprir suas obrigações nos próximos anos.

“Mas seria um cenário em que a companhia ia ter que pagar as dívidas com caixa próprio e ficar numa situação em que não teria flexibilidade para acordos com fornecedores, negociações. Ia impactar muito o capital de giro”, explica.

“Além disso, eles iam continuar dependentes dos dois bancos [Bradesco e BB] porque não ia ter espaço para a entrada de novos credores. A RE reduz a dependência da companhia com esses dois bancos no longo prazo, o que para os bancos também é bom.” Complementa.

O anúncio da recuperação extrajudicial ocorre durante um amplo plano de reestruturação da Casas Bahia, já 35% concluído, visando mudanças operacionais e na estrutura de capital. O objetivo é finalizar o plano até o final deste ano.

Leia mais  O último a sair fecha a porta? Casas Bahia (BHIA3) anuncia renúncia de Vice-Presidente Comercial

O management tem comunicado ao mercado que espera ver os resultados das mudanças já implementadas refletidos no desempenho do primeiro trimestre de 2024 da varejista, cuja divulgação está agendada para o dia 8 de maio.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Casas Bahia tem plano de recuperação aprovado

Rodrigo Mahbub Santana

Alta Tímida do Ibovespa e aumentos de preços após ‘MP do Fim do Mundo’

Rodrigo Mahbub Santana

Grupo Casas Bahia atualiza investidores sobre recuperação judicial

Márcia Alves

Dólar dispara com aversão ao risco

Márcia Alves

Casas Bahia registra prejuízo de R$ 261 milhões no 1T24

Márcia Alves

Ações da Casas Bahia e impactos Desoneração da Folha: Confira o resumo do dia

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário