Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Copom anuncia terceiro corte seguido na Taxa Selic, que chega a 12,25%

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O Banco Central do Brasil anuncia mais um corte na taxa Selic, a taxa de juros básicos da economia, que agora fica em 12,25% ao ano. Este é o terceiro corte seguido de 0,50 ponto percentual, seguindo o esperado pelo mercado. A decisão visa estimular a economia e controlar a inflação.


O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil anunciou sua decisão de reduzir a taxa Selic em 0,50 ponto percentual, levando-a a 12,25% ao ano. Este é o terceiro corte consecutivo de 0,50 ponto percentual na taxa de juros básicos da economia, mantendo o ritmo esperado pelo mercado.

A decisão unânime entre os membros do Copom estava alinhada com as expectativas dos analistas, que já previam uma redução dos juros para 11,75%. A continuidade do ciclo de cortes de juros reflete a busca por estimular a economia e controlar a inflação, com o Copom adotando uma abordagem gradual para a redução da taxa Selic.

De acordo com o comunicado do Copom, a decisão de corte na taxa de juros é compatível com a estratégia de convergência da inflação para a meta ao longo do horizonte relevante, que inclui os anos de 2024 e 2025. A política monetária contracionista continua sendo necessária para o processo de desinflação, e o Copom destaca a importância de manter a firme persecução das metas fiscais para ancorar as expectativas de inflação.

A conjuntura atual, tanto no cenário internacional quanto no doméstico, apresenta desafios. O ambiente externo mostra-se adverso, com o aumento das taxas de juros de prazos mais longos nos Estados Unidos, resiliência das pressões inflacionárias globais e tensões geopolíticas. Os bancos centrais das principais economias estão empenhados em promover a convergência das taxas de inflação para suas metas, e o Copom ressalta a necessidade de cautela por parte dos países emergentes.

Leia mais  Copom: com juro menor, especialista do Santander aposta em renda fixa turbinada e ações de small caps

No cenário doméstico, os indicadores de atividade econômica continuam consistentes com a desaceleração prevista pelo Copom nos próximos trimestres. A inflação ao consumidor manteve uma trajetória de desinflação, mas ainda permanece acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta de inflação. As projeções para a inflação em 2023, 2024 e 2025 situam-se em torno de 4,6%, 3,9% e 3,5%, respectivamente.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

As projeções de inflação do Copom em seu cenário de referência indicam valores de 4,7% para 2023, 3,6% para 2024 e 3,2% para 2025. Já as projeções para a inflação de preços administrados apontam para 9,3% em 2023, 5,0% em 2024 e 3,6% em 2025.

Leia mais  A Bolsa brasileira está barata? Veja o que dizem analistas:

O balanço de riscos continua simétrico, com fatores de risco tanto para alta quanto para baixa no cenário inflacionário. Entre os riscos de alta, destacam-se a persistência das pressões inflacionárias globais e a resiliência na inflação de serviços. Entre os riscos de baixa, estão a desaceleração mais acentuada da atividade econômica global e os impactos do aperto monetário sincronizado sobre a desinflação global.

O Copom enfatiza que a conjuntura, especialmente devido ao cenário internacional, é mais incerta do que o usual e exige cautela na condução da política monetária. A decisão de reduzir a taxa Selic em 0,50 ponto percentual é vista como apropriada para o momento e, caso o cenário esperado se confirme, os membros do Copom preveem reduções de mesma magnitude nas próximas reuniões.

A decisão do Copom visa suavizar as flutuações da atividade econômica e promover o pleno emprego, ao mesmo tempo em que mantém o foco na estabilidade de preços. A busca por um processo de desinflação mais lento e a necessidade de ancorar as expectativas de inflação são os pilares da política monetária brasileira neste cenário desafiador.

Leia mais  Taxa Selic deve atingir ao menor nível em dois anos

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Campos Neto diz que Selic a 10,5% é “suficientemente alta”

Paola Rocha Schwartz

O “cobertor curto” da economia brasileira em 2024

Autor Convidado

O ambiente econômico não permite redução de juros

Autor Convidado

Ibovespa fecha em queda puxado pela Vale

Rodrigo Mahbub Santana

Alta da Ibovespa e déficit em conta corrente: Confira o resumo do dia

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa fecha em alta de 1,07% e dólar cai para R$ 5,39

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário