Guia do Investidor
deficit comercial
Inflação Notícias

Déficit comercial da UE é sinal de alerta para inflação global

Gustavo Bertotti lembra que a Europa é muito dependente do gás importado da Rússia

O déficit comercial da União Europeia (UE) é um sinal de alerta para a inflação global, avalia o economista-chefe da Messem , Gustavo Bertotti. 

“Você tem uma Europa que é dependente da importação de gás e ela não tem saída, por enquanto. O maior ofertante é a Rússia, então a tendência é uma alta de preços e isso leva a um aumento generalizado no valor do produto ”

Diz.

Segundo Bertotti, a oferta de gás e outras energéticas se encontra muito pressionada no atual contexto geopolítico. Mais do que isso, o preço das matérias-primas em alta e a consequente inflação colocam em xeque os planos da União Europeia de apertar ainda mais as sanções contra a Rússia por conta do conflito no leste europeu.

No dia 4 de maio, a presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen anunciou o mais recente pacote de sanções a Rússia. A maior novidade do foi a divulgação de um plano para zerar as importações de petróleo russo até o fim de 2022.

“Ursula von der Leyen afirmou que deseja zerar as importações de petróleo cru da Rússia em seis meses e dos derivados até o final do ano. Como vai fazer isso? Você tem uma inflação de 7,4% na Alemanha e o índice na zona do euro vai subir também”

Questiona.

Dados divulgados na manhã desta quarta-feira (18) confirmam a visão inflação da zona do euro chegou a 1,0% no mês de abril e chegou a um acumulado de 7,4% nos últimos 12 meses. No Reino Unido, o Índice de Preços ao Consumidor avançou 2,5% no mês e chegou a um acumulado de 9,0%.

O economista aponta ainda que a alta do gás natural tem uma série de complicações para a cadeia global, inclusive para países que não utilizam o gás russo — como é o caso do .

“Com o preço subindo, você pode — dependendo do segmento- substituir essa fonte de energia por outra. Por exemplo, demandar mais carvão, então todas as commodities ligadas a energia tendem a se valorizar”

Afirma.

O petróleo, por exemplo, não demorou muito a sentir os impactos do conflito no leste europeu. No dia 23 de fevereiro, o barril de Brent estava cotado a US$ 96,75, saltando para US$ 113,80 nesta terça-feira (+17,62%). Aqui no Brasil, podemos ver os efeitos desse aumento principalmente nos combustíveis.

Leia mais  Chuvas recentes levarão a uma inflação menor em 2022?

Na semana passada, por exemplo, a anunciou um reajuste no preço do diesel nas refinarias. Segundo a petroleira estatal, o aumento veio na esteira da escassez do combustível, que fez o mesmo se valorizar mais do que o petróleo no . O novo reajuste fez com que o litro do diesel ultrapassasse o valor do litro da gasolina em algumas cidades do Brasil.

Desde o início do mês, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) reportou duas vezes que o preço da gasolina bateu recordes históricos no país. As recentes altas nos preços dos combustíveis impulsionaram o avanço nos preços da categoria Transportes, principal fator de pressão no — índice oficial da inflação brasileira — em março e abril.

E a , para Bertotti, não tende a ser passageira. Nos Estados Unidos, o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) voltou a surpreender nos dados de abril e mostra que a inflação global é persistente. Enquanto isso, ele reforça, a UE ainda não elevou as taxas de para combater os avanços nos preços.

“A UE não mexeu nos juros ainda. O aumento precisa acontecer e você não eleva os juros em um mês e o problema da inflação vai embora no mês seguinte. Eu vejo que a Europa está muito atrasada na política monetária”

Explica o economista.

“Eu diria que esse momento não é nada favorável e para a inflação global. A tendência é que os preços vão continuar pressionados e com uma tendência de alta”

Finaliza.

Nossas redes:

Leia mais

O fim dos juros baixos? Países ao redor do mundo estão lutando contra a inflação

Leonardo Bruno

Expectativas de inflação no Brasil para o 2º semestre de 2022

Autor Convidado

Preços dos produtos juninos sobem mais que a média da inflação nos últimos 12 meses

Guia do Investidor

Crise inflacionária leva 65% dos brasileiros a comprarem marcas mais baratas, diz pesquisa da PROTESTE

Guia do Investidor

Presentes para o Dia dos Namorados ficam abaixo da inflação em 12 meses pelo segundo ano consecutivo

Guia do Investidor

Inflação e risco: a receita por trás do ciclo de alta de juros

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário