Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Dólar sobe com busca de proteção após PIB chinês e IBC-Br fracos

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

PIB chinês abaixo do esperado e queda do IBC-Br impulsionam o dólar, levando investidores a buscar proteção em moeda estrangeira.

O dólar teve alta impulsionada pelo PIB chinês abaixo do esperado, que resultou na queda dos preços das commodities e levou investidores a buscar proteção na moeda estrangeira. Além disso, a queda maior do que o esperado do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) em maio também contribuiu para a demanda defensiva.

O dólar atingiu R$ 4,85 no ponto mais alto do dia, pressionado pelos acontecimentos mencionados. No encerramento da sessão, o dólar à vista registrou alta de 0,25%, fechando em R$ 4,8069, enquanto o dólar futuro para agosto apresentava uma alta de 0,34%, cotado a R$ 4,8215.

Dólar sobe em meio a indicadores econômicos desfavoráveis da China e do Brasil, gerando busca por moeda estrangeira como proteção

O dólar teve um dia de alta impulsionada por indicadores econômicos desfavoráveis tanto na China quanto no Brasil. O Produto Interno Bruto (PIB) chinês registrou um crescimento anualizado de 6,3%, ficando abaixo das expectativas de 6,9%. Essa notícia provocou uma queda nos preços das commodities e levou os investidores a buscar proteção no dólar desde o início do dia.

No mercado brasileiro, a moeda norte-americana também foi impulsionada pela queda do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) em maio. O índice registrou uma queda de 2% em relação ao mês anterior, superando as expectativas de uma queda de apenas 0,1%. Essa queda maior do que o esperado reforçou a demanda defensiva dos investidores, que buscaram o dólar como uma forma de proteção.

Leia mais  Dólar sobressai com possível aumento de Juros pelo Fed em junho

Ao longo do dia, o dólar manteve-se em alta em relação às moedas emergentes, especialmente das economias exportadoras. O índice DXY, que compara o dólar em relação a seis pares, chegou a cair levemente devido à melhora dos ativos de risco em Nova York.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

No fechamento da sessão, o dólar à vista registrou uma alta de 0,25%, encerrando o dia em R$ 4,8069. O dólar futuro para agosto apresentava uma alta de 0,34%, cotado a R$ 4,8215. No mercado internacional, o índice DXY operava em queda de 0,07%, enquanto o euro registrava ganho de 0,09% em relação ao dólar, e a libra recuava 0,16%.

Leia mais  Dólar recua com inflação sob controle

Bolsas de Nova York e Ibovespa têm altas moderadas devido à falta de eventos importantes e impacto negativo das commodities

Nesta sessão, as bolsas de Nova York e o Ibovespa tiveram ganhos modestos em meio a uma agenda esvaziada e pressão das commodities. Nos Estados Unidos, o índice Dow Jones registrou uma alta de 0,22%, fechando o pregão aos 34.585,35 pontos. O S&P 500 teve um avanço de 0,39%, encerrando aos 4.522,79 pontos. Enquanto isso, o Nasdaq apresentou um ganho de 0,93%, chegando aos 14.244,95 pontos.

No Brasil, o Ibovespa também teve uma alta discreta de 0,43%, encerrando a sessão aos 118.219,46 pontos. No entanto, o desempenho foi pressionado pelo resultado negativo das ações de empresas ligadas às commodities, que foram impactadas pelo PIB chinês abaixo do esperado no segundo trimestre.

A falta de eventos importantes na agenda contribuiu para um dia de negociações com ganhos contidos. Os investidores estão aguardando o avanço da temporada de balanços do segundo trimestre para obter mais direcionamento no mercado.

Leia mais  Dólar em queda no Brasil e no mundo após Fed manter juros inalteradas

No cenário internacional, os retornos dos Treasuries recuaram, com destaque para o juro do T-bond de 30 anos, que caiu para 3,927%. Enquanto isso, no mercado brasileiro, o volume financeiro negociado foi consideravelmente menor em relação à média diária de junho, somando apenas R$ 18,3 bilhões.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Ibovespa abre em queda e Eletrobras inicia com sinais trocados

Paola Rocha Schwartz

Dólar dispara frente ao Real com impacto de decisões da Petrobras

Guia do Investidor

Dólar recua após Powell e Lagarde manterem expectativas sobre juros

Guia do Investidor

Powell sinaliza cortes de juros e dólar recua

Guia do Investidor

Dólar sobe em dia de incerteza nos EUA e China

Guia do Investidor

Dólar cai; mercado aguarda China, Powell e payroll

Guia do Investidor

Deixe seu comentário