Guia do Investidor
images 1
Colunistas

Expectativas de inflação no Brasil para o 2º semestre de 2022

A inflação acontece quando há aumento de preços em e serviços de maneira persistente e é calculada, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), pelos índices de preço. O instituto é o responsável por produzir o (Índice de preços ao consumidor ampliado), que é usado como referência para metas inflacionárias no , assim como, mudanças nas taxas de .

A última divulgação dada pelo IBGE, em maio de 2022, apontou o IPCA acumulado dos 12 meses em 11,73% de , sendo que no último mês, o dado divulgado foi de 0,47%. Esta notícia, que predominou o noticiário nacional e econômico, trouxe novamente preocupação à população no que tange seu custo de vida, ou seja, os preços em que as famílias pagam por produtos e serviços relacionados ao consumo.

Em comparação a junho de 2021, o IPCA registrava 0,53% no mês, contra 0,47% agora em junho de 2022, queda de 0,06 pontos percentuais, de acordo com o IBGE. Entretanto, como se trata de um valor médio, apesar do resultado mais favorável entre 2021 e 2022, não significa que estamos com uma situação de preços melhor.

Leia mais  Times empresas: o futuro do futebol é na bolsa de valores?

Isso porque o índice geral toma como base, grupos de bens e serviços como: Alimentação, habitação, artigos para residência, vestuário, transportes, educação e tantos outros, então, estamos falando de uma média, o que não significa dizer que em determinados segmentos da , em comparação a outros, a vida do brasileiro melhorou, olhando somente para a variação anual.

Especialistas em inflação indicam que a alta está espalhada por todos os grupos que compõem o cálculo do IPCA. Além disso, o cenário no Brasil é incerto. Existem pressões vindas de aumentos novamente dos combustíveis (óleo diesel e gasolina), causado principalmente pela continuidade da guerra entre e sobre os preços das commodities e de novas interrupções das cadeias produtivas.

Há ainda uma pressão inflacionária forte mundial, que se reflete na vida dos brasileiros. Alguns fatores, tanto de origem externa quanto interna, ajudam um pouco a explicar esse efeito inflacionário tais como recorrentes reajustes de preços atuais que contribuem para remarcação de preços futuros, conhecida como inflação interna.

Leia mais  Projeção de inflação cai para 2,20% em 2020. Veja PIB, Juros e Dólar

Os novos surtos de covid-19, inclusive na cidade de Xangai, maior centro produtivo do China, levou a lockdown, reduzindo uma vez mais a produção de componentes eletrônicos produzidos e distribuídos mundialmente.

A continuidade do conflito entre Rússia e Ucrânia como fator de inflação externa está associada aos dois anos de pandemia que geram impacto no escoamento de produtos, especialmente agrícolas, como o trigo, que representa praticamente 30% do total produzido no mundo. Este aumento representou altas para o Brasil de aproximadamente 20% no óleo de soja, 15% da farinha de trigo, e novamente o petróleo, com média de aumento de 37% dos preços internacionais.

Um outro fator relevante de aumento de preços de origem interno brasileiro está relacionado à crise hídrica, com adoção de bandeiras tarifárias de energia elétrica mais caras, como efeito adverso do clima. Quando a energia elétrica se torna mais cara, toda cadeia produtiva e o setor de serviços sofre com esses aumentos e tendem a repassar o custo mais alto ao consumidor, levando os preços a patamares mais altos.

Ocorre o mesmo com os produtos hortifrutigranjeiros, que com a falta de chuva, também acabam tendo sua produção afetada e, diante de uma menor oferta de alimentos do gênero, os preços também sobem.

Leia mais  Selic: Juro elevado em meio a incertezas não é o melhor remédio contra inflação de oferta

Diante de todo esse cenário, a desorganização das cadeias produtivas e seus novos arranjos ao redor do mundo, além dos custos de frete aéreo e marítimo, geram mais atrasos em reorganizar a produção mundial, face a falta de componentes, insumos e matérias primas, levando a alta demanda de consumo um consequente aumento nos preços dos bens produzidos no mundo.

A expectativa de normalização das cadeias produtivas ainda é incerta, mas estima-se que a partir de 2023 comecem a se normalizar, elevando os níveis de produção e consequentemente, uma leve queda nos preços com o ajuste entre oferta e demanda de consumo.

Por Julian Alexienco Portillo, pesquisador do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica (CMLE) da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as mais quentes do em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Inflação pelo IPC-S sobe 0,76% na terceira quadrissemana de junho

Guia do Investidor

Inflação pelo IPC-S sobe 0,91% na segunda quadrissemana de junho

Guia do Investidor

O fim dos juros baixos? Países ao redor do mundo estão lutando contra a inflação

Leonardo Bruno

Preços dos produtos juninos sobem mais que a média da inflação nos últimos 12 meses

Guia do Investidor

Crise inflacionária leva 65% dos brasileiros a comprarem marcas mais baratas, diz pesquisa da PROTESTE

Guia do Investidor

Presentes para o Dia dos Namorados ficam abaixo da inflação em 12 meses pelo segundo ano consecutivo

Guia do Investidor

Deixe seu comentário