Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Governo quer levar mais investidores para o mercado de Ações

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Gestão atual traz novos ares quanto ao investimento institucional. Isto em especial após a reforma da previdência, iniciativa decisiva perante o cenário financeiro.

Governo Bolsonaro é aprovado por investidores brasileiros, este é o resultado da pesquisa realizada pela XP Investimentos e conta com a avaliação de 122 acionistas institucionais. Tal apuração aponta que 38,9% dos entrevistados consideram a nova gestão como positiva e 86% têm boas expectativas.

Em contrapartida, ao levar em consideração a resposta individual, o público revela que o governo é ótimo (11,2%), bom (27,7%) e regular (29%). Enquanto isso, o restante indica como ruim (7,2%), péssimo (11,8%) ou não soube responder (13,1%).

Por outro lado, com relação à estimativa, entre os meses de dezembro de 2018 até fevereiro de 2019, aumentou em 3% a esperança de investidores, e assim, representam 86% do quadro. Já o índice daqueles que preveem queda, diminuiu no último bimestre e registrou apenas 2%.

Este levantamento reflete a relação que o presidente manteve frente à economia durante seu processo eleitoral. Momento no qual Jair Bolsonaro mantinha a promessa de atuar na privatização de estatais e na abertura do comércio estrangeiro. Além da reformulação do texto previdenciário.

Reforma da Previdência

O reajuste atual corrigiu o sistema que funcionava desde 1988, e aparentava não ser eficaz. Isso porque apenas no ano passado, o prejuízo para os cofres brasileiros foi de R$ 290,2 bilhões. Em vista disto, a Consultoria Legislativa do Senado afirma que, em 2026, os custos com aposentadoria poderiam ultrapassar até 80% do recurso público.

Leia mais  Lula aposta que PIB vai crescer acima do previsto pelo FMI

Portanto, a reforma é considerada fundamental para a recuperação econômica do país. Principalmente porque, de acordo com os cálculos lançados pelo governo, o faturamento previsto é de R$ 1,16 trilhão em 10 anos. Diante os resultados, o mercado financeiro reforça a necessidade da nova proposta.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

De modo geral, a previdência influenciará tanto a renda fixa como variável. Na primeira, o valor disponibilizado ao investidor pode ser maior que o anterior. A justificativa para esta afirmação é que, segundo especialistas, nos papéis referentes à inflação e prefixados, quanto maior os juros, menor o preço dos títulos e maior a rentabilidade exigida.

Leia mais  Governo mexer no ICMS pode afetar centenas de empresas: veja quais na bolsa

Empresas atreladas ao governo

Para facilitar a aplicação de acionistas, estrategistas do Itaú BBA (ITUB4) publicaram lista com as empresas nas quais o governo oferece maior contribuição. Neste caso, a parceria pode ser através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ou por meio de estatais.

Conforme o ranking, de 224 instituições, os destaques estão para aquelas referentes ao setor de energia elétrica, óleo ou gás e financeiro. Sendo assim, são 82, 30 e 25 companhias de cada categoria, respectivamente.

Confira a ordem das 10 primeiras e a participação governamental:

Telebras (TELB4) – 87,3%

Eletrobras (ELET6) – 59,7%

Banco do Brasil (BBAS3) – 50,7%

Petrobras (PETR4) – 43,9%

Marfrig (MRFG3) – 33,7%

BB Seguridade (BBSE3) – 33,7%

AES Tietê (TIET11) – 33%

BR Distribuidora (BRDT3) – 31,3%

Fibria (FIBR3) – 29,1%

Tupy (TUPY3) – 28,2%

Apesar de garantir a privatização de ao menos 100 empresas, Bolsonaro diz que as estatais estratégicas não serão modificadas.

“Tudo terá um critério ou um modelo, não vamos sair vendendo tudo. Quem é funcionário da Caixa, do Banco do Brasil, do setor elétrico, do setor energético, pode ficar tranquilo”, comentou.

Como em diversos outros momentos, o cenário oscilante pode oferecer riscos ao investidor brasileiro. Com as eleições, novas propostas e resultados econômicos surgem a todo vapor. Portanto, antes de aplicar uma bolada, é importante que o acionista conheça sua compra e reserve boas estratégias na manga.

Leia mais  Embraer obtém crédito do BNDES para produção e exportação de aviões

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Tarifa de importação é zerada para garantir abastecimento de arroz

Agência Brasil

Previsões do mercado para Selic e juros sobem

Agência Brasil

Mercado brasileiro fecha em queda moderada

Rodrigo Mahbub Santana

Governo espanhol adquire 10% da Telefónica

Rodrigo Mahbub Santana

Volvo prevê que agronegócio impulsione 30% das vendas no Brasil

Paola Rocha Schwartz

Juros da Selic devem fechar 2024 em 10%, estima o BC

Agência Brasil

Deixe seu comentário