Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Motoristas com tag eletrônica têm descontos em 85 pedágios do país

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O uso de tags eletrônicas nos veículos tem crescido cada vez mais, desde quando a modalidade de pagamento automático iniciou no Brasil, no ano 2000. E a maior parte das transações realizadas em todo o país é destinada ao uso em pedágios – o que, automaticamente, já garante 5% de desconto sobre o valor praticado em 85 pedágios de diversas rodovias federais (27) e estaduais (58).

Trata-se do Desconto Básico de Tarifa (DBT), uma prática determinada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) – também seguida por agências reguladoras estaduais – que oferece o benefício a motoristas que têm o dispositivo eletrônico no veículo, incentivando o uso deste meio de pagamento para promover melhorias no fluxo nas rodovias.

Assim, ao passar por faixas de cobrança automática das praças convencionais de pedágio ou pelos novos pórticos free flow (fluxo livre) – instalados recentemente em três pontos da rodovia Rio-Santos, administrada pela CCR RioSP –, os veículos com tags de pagamento ativas já garantem economia extra sobre as taxas praticadas em trechos pedagiados em rodovias dos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Leia mais  Mercado chinês ainda é vantajoso para o agro brasileiro

Desconto de Usuário Frequente (DUF) para automóveis com tag

Além da economia proporcionada pelo DBT aos motoristas que utilizam dispositivos de pagamento automático para mobilidade, os novos contratos de concessão de rodovias já têm determinado que faixas e pórticos de cobrança automática concedam descontos progressivos aos automóveis com tag que trafegam com frequência pelos mesmos trajetos.

Denominado Desconto de Usuário Frequente (DUF), o benefício é valido exclusivamente aos veículos de passeio que passam repetidamente por 79 faixas e pórticos de cobrança automática, situados em 24 pedágios das rodovias federais e em 55 pontos das estaduais.O abatimento percentual aumenta desde a 2ª até a 30ª viagem. A partir da 31ª passagem, ao longo de um mesmo calendário mensal, o motorista passa a pagar a tarifa mínima em todos os demais trajetos realizados no período – desde que sejam realizados em mesmos trecho e sentido de percurso, durante o mês vigente. Dessa forma, dependendo da quantidade de passagens, o desconto pode ultrapassar 70% àqueles que efetuam pagamentos via tag – benefício que pode até superar 90%, em algumas rodovias estaduais.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Atualmente, 55 pedágios de rodovias estaduais já adotaram a prática do DUF em trechos localizados em variadas regiões de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. Dentre as rodovias federais que já concedem este desconto progressivo, estão CCR RioSP (Via Dutra e Rio-Santos), Ecovias do Araguaia e EcoRioMinas.

Leia mais  Barômetros Globais sobem, mas continuam em patamar baixo, aponta FGV

Tags: pagamentos muito além dos pedágios

É fato que as variadas modalidades de pagamento sem contato ganharam força com a pandemia da Covid-19. Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Pagamento Automático para Mobilidade (Abepam), o Brasil já conta com mais de 9 milhões de automóveis com tags em circulação. Além de simplificar a quitação e o controle de gastos com as taxas de pedágio nos trajetos rodoviários de todos o Brasil, as tags também podem ser usadas para efetuar pagamentos em restaurantes e lanchonetes com sistema de drive thru, estacionamentos, serviços de lava-rápido, postos de combustíveis e até para a contratação de seguros e outros serviços, dependendo da operadora escolhida.

“Hoje, as tags já podem ser utilizadas para efetuar pagamentos em mais de 10 mil pontos de todo o país, considerando os variados tipos de estabelecimento que já aderiram ao sistema para facilitar o dia a dia de motoristas. A tendência é que as possibilidades de uso, assim como a quantidade de locais, continuem em crescimento de acordo com o aumento de usuários e, consequentemente, das demandas”, completa Carlos Gazaffi, presidente da Abepam.

Leia mais  Os motivos pelo qual o Banco Central foi eleito o melhor gestor de reservas do mundo

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Sabesp privatizada deve se tornar “grande plataforma de saneamento” do Brasil

Márcia Alves

Reforma Tributária: a questão federativa nos PLPs 68 E 108/2024

Fernando Américo

IVAR apresenta aumento de 0,61% em junho

Fernando Américo

Carteira de crédito em 2024 tem estimativa de alta de 10%

Fernando Américo

Crise econômica no Governo Lula: um caminho sem saída?

Fernando Américo

Inflação sobe 0,21% em junho: veja impacto para consumidor

Fernando Américo

Deixe seu comentário