Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Petrobras (PETR4) dá um passo atrás e quer aumentar participação na Braskem

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A Petrobras (PETR3; PETR4) abandonou a política da gestão anterior de vender ativos para levantar recursos, considerada “irracional” pelo atual presidente da petrolífera, Jean Paul Prates. Em entrevista à Bloomberg News, Prates afirmou que a empresa agora pretende abordar a gestão de portfólio com “outro plano, dentro de outra estratégia”.

Nesse contexto, a Petrobras avalia aumentar sua participação na petroquímica Braskem (BRKM5), em vez de se desfazer da fatia que detém em parceria com a Novonor, antiga Odebrecht.

Segundo Prates, nomeado por Luiz Inácio Lula da Silva no início deste ano, a venda das ações ainda é uma opção, mas também é possível aumentar a participação: “Podemos vender ou comprar”.

A lista de ativos que a Petrobras colocou à venda na gestão anterior, mas ainda não concluiu, inclui um gasoduto, campos de petróleo e unidades de refino.

Esses ativos agora serão avaliados caso a caso. Prates não descartou a venda de participações em refinarias para parceiros privados e confirmou que a Petrobras cancelou a venda de sua empresa de biodiesel.

Leia mais  STF suspende dívida da Eletrobras e IBOV cai 1,73%

O Ministério de Minas e Energia solicitou à Petrobras, neste mês, a suspensão por 90 dias de cerca de US$ 2 bilhões em desinvestimentos já assinados, mas ainda não concluídos, para revisar as transações. Em resposta, a Petrobras afirmou que prosseguiria com as vendas assinadas.

Prates prometeu “não atacar” acordos formais de venda, incluindo direitos de campos de petróleo comprados pela 3R Petroleum e Seacrest Petroleo, e afirmou: “Com certeza não vamos vender tantos ativos como antes, senão por outros motivos, porque os melhores já se foram”.

A Petrobras também se opõe a um imposto de exportação que surpreendeu o setor de energia e gerou forte oposição de produtores estrangeiros que operam no país.

A estatal conversou com o presidente Lula e o Ministério de Minas e Energia sobre os impactos negativos do imposto e a necessidade de não torná-lo permanente. Prates alertou que, caso o imposto de exportação se torne permanente, o Brasil passaria a importar ainda mais diesel, já que o país refinará mais o próprio petróleo em vez de exportá-lo, alterando o modo de operação das refinarias nacionais.

Leia mais  Ibovespa bate na trave dos 100 mil pontos, mas Vale e Hapvida impedem a virada; Petrobras, B3 e bancos impulsionam alta do índice

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Petrobras e Yara Fertilizantes exploram oportunidades de parceria

Paola Rocha Schwartz

Petrobras aumenta valor da gasolina e do gás

Márcia Alves

Petrobras demite funcionários de carreira e contrata pessoas próximas ao PT e FUP

Márcia Alves

Petrobras firma aditivos com Cade para áreas de refino e gás

Paola Rocha Schwartz

Petrobras: CEO mantém 4 pilares da tese e enfrenta desafios

Paola Rocha Schwartz

Conselho da Petrobras aprova a nomeação de três novos diretores

Paola Rocha Schwartz

Deixe seu comentário