Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Monitoramento da CCEE aponta estabilidade no consumo de energia do Brasil na primeira metade de setembro

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O consumo de energia elétrica no Brasil se manteve estável na primeira quinzena de setembro, segundo dados preliminares do Boletim InfoMercado Quinzenal da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica — CCEE. O país demandou 65.090 megawatts médios (MWm), praticamente o mesmo volume utilizado no mesmo período do ano passado.

Apesar da estabilidade, o mercado livre, no qual a indústria e grandes redes de comércio e serviço contratam o seu fornecimento, consumiu 22.957 MW médios, montante 2,3% maior no comparativo anual e que corresponde a cerca de 35% de toda a energia utilizada pelo país.

Em contrapartida, no mercado regulado, em que as residências e pequenas empresas compram o insumo por meio das distribuidoras, houve queda de 1,2% frente a igual período de 2021. O resultado se explica pela menor temperatura no período em boa parte dos principais centros de consumo de energia no país, em relação ao ano passado.

Leia mais  Consumo de energia elétrica no Brasil cresceu 1,4% no primeiro semestre de 2023, aponta balanço da CCEE

Como a migração de consumidores entre esses dois ambientes afeta diretamente os resultados, a CCEE também faz a medição desconsiderando as cargas que mudaram de segmento nos últimos 12 meses. Neste cenário, haveria estabilidade em ambos os mercados.

Outro fator que pode interferir nos dados é a micro e minigeração distribuída, ou seja, os painéis solares fotovoltaicos instalados em residências e empresas, que reduzem a demanda da rede de distribuição. Se não houvesse esse tipo de sistema, haveria um crescimento de 1,3% no volume demandado pelo mercado regulado

Consumo de energia elétrica na primeira quinzena de setembro | 2022 X 2021

image

Consumo por ramos de atividade econômica

Entre os 15 setores da economia monitorados pela CCEE, desconsiderando o efeito de migração, os maiores avanços foram observados nos ramos de Extração de Minerais Metálicos (10,1%), Madeira, Papel e Celulose (6,2%) e Saneamento (3,4%). Entre as áreas que tiveram maior declínio estão Comércio (-9,1%), Têxteis (-7,7%) e Telecomunicações (-7,3%).

image 1
image 2

Consumo regional

O cenário meteorológico foi um dos principais fatores que influenciaram o uso de energia elétrica nos estados brasileiros. No Maranhão (+24%) e em Rondônia (+19%), por exemplo, temperaturas mais altas que as registradas no mesmo período do ano passado aumentaram a necessidade de uso de equipamentos de refrigeração. Em contrapartida, o clima mais ameno derrubou o consumo em regiões como Rio Grande do Norte (-11%) e Rio de Janeiro (-8%).

image 3

Geração de energia

Leia mais  Crises energética e portuária internacionais são empecilhos para a volta do crescimento da economia brasileira

A recuperação dos reservatórios de água mais uma vez levou a um aumento da geração hidrelétrica para o Sistema Interligado Nacional — SIN. A fonte produziu 44.493 MW médios nas duas primeiras semanas de setembro, alta de 27,7% frente ao mesmo período de 2021. Enquanto isso, as termelétricas recuaram em 56,9%.

Destaque para avanços de 64% e de 16,8% das usinas solar e eólica, respectivamente. De janeiro até setembro, a geração por fontes renováveis representou 92% de tudo o que foi produzido no país.

image 4

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais  Consumo de energia: 8 dicas para economizar em casa

Leia mais

 O que deve mudar na conta de luz com a nova classificação energética do Inmetro?

Guia do Investidor

Enel recebe multa de R$ 13 mi por apagões no Rio de Janeiro

Paola Rocha Schwartz

Região Sudeste atinge sozinha 9,1 GW de potência instalada

Guia do Investidor

“Estamos jogando fora boa parte da produção de energia”, diz especialista

Guia do Investidor

Preço médio da energia solar cai 11% para residências no 3º trimestre do ano, aponta estudo da Solfácil

Guia do Investidor

Calor eleva consumo de energia elétrica no começo de outubro, destaca CCEE

Guia do Investidor

Deixe seu comentário