Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Mudanças da CVM são positivas e estimulam o setor da securitização, afirma Flavia Palacios, CEO da Opea

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Norma da CVM para atualizar pontos do Marco Legal da Securitização foi publicada na última sexta-feira (17)

A Comissão de Valores Monetários (CVM) publicou na última sexta-feira (17), a Resolução nº 193, com ajustes para a Resolução 60, que regulamenta as Companhias Securitizadoras e as operações de securitização. Estes ajustes visam majoritariamente adequação ao texto da Lei nº 14.430/2022, o Marco Legal da Securitização. Flavia Palacios, CEO da Opea, líder em securitização no Brasil, afirmou que as mudanças propostas são adequadas e foram recebidas de forma positiva pelo mercado. “As alterações eram pleitos do mercado para adequar a regulação à disposições legais trazidas pela Lei 14.430 e que visavam um aprimoramento do mercado de securitização. Temos que elogiar a rapidez e assertividade da CVM em realizar essa atualização”, diz.

Leia mais  CVM cobra justificativas da Tim (TIMS3) por movimentos de oscilação nas ações da empresa

A executiva destaca que o primeiro ponto foi ampliar a possibilidade para que todos os certificados de recebíveis (CRs) contem com revolvência de lastro (quando não há uma carteira estática como lastro) e não apenas os CRAs, como previsto anteriormente. “Isso foi novidade. Agora é possível fazer CRIs com lastros revolventes. Isso era uma demanda antiga, até para operações tradicionais como as relacionadas a um shopping center, por exemplo. Agora será possível fazer a securitização com lastro dos aluguéis dos shoppings, que podem ser substituídos ao longo da vida do CRI. Com o lastro revolvente poderemos comprar novos créditos ao longo da vida da operação”, explica.

Outro ponto destacado  é o chamado “ramp-up” de créditos – a permissão para a compra dos lastros de um Certificado de Recebível de maneira simultânea à integralização dos certificados. “A lei afirmava que era preciso ter os lastros previamente identificados no Termo de Securitização e a CVM agora esclareceu que é previamente à integralização dos CR e não à emissão dos mesmos. Isso ajuda especialmente no caso de operações em que a carteira de lastro ainda está em formação, algo muito comum nas operações com fintechs”, detalha.

Há ainda outros entendimentos relevantes, como a possibilidade de envio de informações do devedor ou do coobrigado de acordo com o risco de crédito de cada operação em relação ao limite de concentração de créditos; a Uniformização das definições de “direitos creditórios” e “regime fiduciário”; a possibilidade de convocação de assembleia especial de investidores na página da internet da securitizadora, entre outros pontos.

Leia mais  M. Dias Branco (MDIA3) se explica para a CVM

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

“PIX dos Investimentos”: entenda mudança em norma da CVM

Guia do Investidor

JBS antecipa pagamento de US$ 500 mi em títulos internacionais

Paola Rocha Schwartz

Oi: diretora de RI da empresa é processada pela CVM

Paola Rocha Schwartz

Sabesp firma contrato de concessão para saneamento

Rodrigo Mahbub Santana

Bolsa dos EUA terá novo prazo de liquidação na próxima terça

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa fecha em queda e Americanas adia balanço, confira o resumo dia

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário