Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Consumo de energia elétrica no Brasil cresceu 1,4% no primeiro semestre de 2023, aponta balanço da CCEE

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O Brasil consumiu 1,4% mais energia elétrica no primeiro semestre de 2023 do que no mesmo período do ano passado e alcançou a marca de 66.760 MW médios, segundo dados preliminares da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE. O avanço é resultado do bom momento para exportações da indústria mineradora e do crescimento das atividades do comércio e dos serviços, mesmo que as temperaturas mais amenas, sobretudo as registradas em janeiro e abril, tenham levado a uma menor demanda pela utilização de aparelhos de ar-condicionado.

No mercado livre, no qual as grandes indústrias e grupos empresariais podem escolher o seu fornecedor, apresentou alta de 5,2% no comparativo anual. O resultado também foi impulsionado pelo ritmo acelerado de migrações. Somente no primeiro semestre, mais de 3,3 mil novas unidades consumidoras ingressaram no segmento. O ambiente regulado, por sua vez, apresentou uma redução de 0,7%, causada pela presença crescente da micro e minigeração distribuída, por fatores climáticos e pelo próprio volume de agentes que deslocaram-se para o mercado livre.

Leia mais  Setor elétrico movimentou R$ 817 milhões no Mercado de Curto Prazo em agosto

Consumo por ramo de atividade econômica

Entre os 15 setores da economia que compram energia elétrica no mercado livre, a CCEE observou aumento em onze deles, na comparação com o mesmo período do ano passado. Destaque para o comércio e a extração de minerais metálicos, que cresceram devido ao aumento das atividades em supermercados, com o arrefecimento da inflação, e ao bom momento para exportações de minérios. O ramo de saneamento também apresentou taxa elevada de aumento, mas que é reflexo das migrações de grandes consumidores do segmento para o ambiente.

Consumo por região

Na avaliação regional, as maiores altas ficaram concentradas nas regiões Norte e Nordeste, com destaque para o Maranhão e o Pará. Em ambos, o aumento reflete o consumo das indústrias metalúrgicas e fatores climáticos, sendo que, no caso maranhense, a alta expressiva é resultado também da retomada contínua da produção de uma importante planta do segmento de alumínios.


Leia mais  Brasil fecha primeiro trimestre com maior demanda por energia elétrica, aponta CCEE
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

 O que deve mudar na conta de luz com a nova classificação energética do Inmetro?

Guia do Investidor

Enel recebe multa de R$ 13 mi por apagões no Rio de Janeiro

Paola Rocha Schwartz

Região Sudeste atinge sozinha 9,1 GW de potência instalada

Guia do Investidor

Descubra a melhor ação do setor de Energia para 2024

Leonardo Bruno

“Estamos jogando fora boa parte da produção de energia”, diz especialista

Guia do Investidor

Preço médio da energia solar cai 11% para residências no 3º trimestre do ano, aponta estudo da Solfácil

Guia do Investidor

Deixe seu comentário