Guia do Investidor
oi oibr3 acao
Resultados Resultados 1T23

Nova Oi não supera erros da “velha Oi” e amarga prejuízo de R$ 1,2 bilhão no 1T23

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Após adiar a divulgação de seu balanço do primeiro trimestre por duas vezes, a Oi (OIBR3) informou um prejuízo líquido de R$ 1,27 bilhão entre janeiro e março deste ano, revertendo o lucro líquido de R$ 1,6 bilhão registrado no mesmo período do ano anterior. A companhia atribuiu o atraso na divulgação do resultado a questões relacionadas ao pedido de recuperação judicial e às negociações em curso com credores.

A receita proveniente da venda de bens e serviços ficou em R$ 2,5 bilhões, em linha com o registrado no primeiro trimestre de 2022. Ao analisar apenas a Nova Oi, que é o que restou da empresa após a venda do controle da unidade de infraestrutura, a InfraCo, que detém toda a infraestrutura de dutos da operadora, a receita líquida cresceu 4,8% no ano, totalizando R$ 2,2 bilhões.

IndicadorValorComparação com o ano anterior
Prejuízo líquidoR$ 1,27 bilhãoRevertendo lucro de R$ 1,6 bilhão
Receita de venda de bens e serviçosR$ 2,5 bilhõesEm linha com o 1T22
Receita líquida (Nova Oi)R$ 2,2 bilhões+4,8% em relação ao ano anterior
Receita da Oi FibraR$ 1,1 bilhão+20,8% em relação ao ano anterior
Receita líquida da Oi SoluçõesR$ 701 milhões+12,9% em relação ao ano anterior
EBITDAR$ 1,09 bilhãoReversão do resultado negativo de R$ 14,6 bilhões
Custos e despesas geraisR$ 2,3 bilhõesQueda de 26,9%
Dívida líquidaR$ 20,9 bilhõesQueda de 33,4%

Esse desempenho foi impulsionado pela performance da Oi Fibra, cuja receita avançou 20,8%, atingindo R$ 1,1 bilhão.

No segmento de Oi Soluções, a receita líquida no primeiro trimestre alcançou R$ 701 milhões, apresentando um crescimento de 12,9% em relação ao ano anterior. Os serviços de TI responderam por 22% da receita dessa unidade. Em relação ao lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA), o valor registrado foi de R$ 1,09 bilhão, revertendo o resultado negativo de R$ 14,6 bilhões do mesmo período do ano anterior.

Os custos e despesas gerais totalizaram R$ 2,3 bilhões no período, representando uma queda de 26,9%. A Oi atribuiu esse resultado, em parte, à venda da operação de mobilidade e da infraestrutura de fibra. Quanto à dívida líquida da operadora, ela encerrou março em R$ 20,9 bilhões, apresentando uma queda de 33,4% em comparação ao ano anterior.

A Oi vem enfrentando um cenário desafiador devido à recuperação judicial e às negociações com credores para reestruturar sua dívida. Apesar do prejuízo registrado no primeiro trimestre, a empresa busca avançar na expansão de sua rede de fibra óptica, impulsionada pelo bom desempenho da Oi Fibra.

Conhece a agenda de resultados? 

Por fim, você quer se organizar para acompanhar as datas dos Resultados do 1T23? Então, não deixe para depois e confira a Agenda de Resultados do Guia do Investidor. No calendário estão reunidas todas as datas da divulgação dos Resultados do 1T23 das empresas listadas na bolsa de valores brasileira. Claro que sempre de formas simples e prática. Dessa forma, basta acessar clicando aqui!

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Mais uma “furada”: Oi segue no vermelho com prejuízo de R$ 2,8 bilhões no 3T23

Leonardo Bruno

Mais uma “enganação”? “Nova Oi” divulga nova estratégia de reestrutaração vendendo sucata

Leonardo Bruno

Nada vai salvar? Mesmo com venda de R$ 1 bilhão no radar, ações da Oi (OIBR3) desabam

Leonardo Bruno

Novo plano de RJ da Oi vai fazer ações voltarem a R$ 1?

Leonardo Bruno

O sonho da “nova Oi” ainda existe? Oi garante crédito de US$ 300 Milhões do BTG Pactual para RJ

Leonardo Bruno

Instituto Empresa vai à Justiça contra a Oi (OIBR3)

Guia do Investidor

Deixe seu comentário