Guia do Investidor
aumentoseliccopom
Notícias

Reunião do Copom: BC deve subir Selic nesta semana

Nesta semana, acontece a reunião do Comitê de Política Monetária (), do Central, que, de acordo com expectativas do , deve subir a Selic em 0,5 p.p, de 13,25% para 13,75%. O Boletim Focus, divulgado nesta segunda (1) projeta que a Selic chegue no fim do ano em 13,75% ao ano. Para 2023, as projeções subiram de 10,75% para 11% ao ano.

No , o IPCA-15, prévia da inflação, veio em 0,13%, abaixo da taxa de 0,68% registrada em junho, segundo o IBGE. Os dados vieram abaixo do esperado, o que foi positivo, segundo Marcus Labarthe, sócio-fundador da GT . 

“Mas sabemos que se trata de um alívio temporário devido às decisões do governo em relação à diminuição do imposto de ICMS diminuindo preços de gasolina e energia, o que passa uma sensação de melhora. Porém, não temos o problema da inflação resolvido. Isso deve levar o Copom a subir juros novamente nesta semana como tentativa de controlar a inflação”, diz.

Fabio Louzada, economista, analista CNPI e fundador da Eu me banco, acredita que a próxima alta a ser anunciada nesta semana ainda não será a última que encerrará o ciclo. 

“Neste ano, não devemos ter uma inflação dentro da meta e não acho que o se arriscaria a interromper o ciclo agora. Acredito que o BC chegue a uma taxa de pelo menos 14% neste ano. O próprio relatório Focus divulgado nesta semana trabalha com a expectativa de que o juro básico suba de 13,75% para 14% para o fim do ano, o que é influenciado pelo cenário de deterioração da expectativa de inflação para o ano que vem“, explica.

Para Louzada, desde que o Copom começou a subir juros, começamos a ver sinais de que a inflação aos poucos está arrefecendo por mais que o cenário não esteja totalmente tranquilo. As medidas do governo de reduzir como ICMS dos combustíveis e energia têm impactado nos números: 

“O boletim Focus reduziu a estimativa do IPCA 2022 pela quinta semana seguida de 7,30% para 7,15%. Por outro lado, vemos as estimativas para 2023 avançando de 5,30% para 5,33%, aumento que pode ser influenciado pelos efeitos das medidas do governo que devem estimular o consumo nos próximos meses, como o Auxílio Brasil que aumentará de R$ 400 para R$ 600“.

Idean Alves, sócio e chefe da mesa de operações da Ação Brasil , acredita que o momento pede muita prudência, paciência, diversificação e revisão das teses de forma constante para saber se as premissas que originaram o inicial continuam, pois uma alocação que se mostrava muito acertada no começo de 2021 pode se mostrar defasada já no final do mesmo ano. 

“O melhor caminho é diversificar e não ficar muito direcional, tentando acertar o time ou para onde vai o mercado. Essa é a chave para ter que fazer uma correção abrupta no portfólio, a fim de evitar perdas e prejuízos maiores e, claro, foco no longo prazo, pois os problemas que parecem intermináveis agora vão se mostrar apenas ruídos de mercado quando olharmos pelo retrovisor o histórico do mercado hoje”, afirma.

Para quem quer aproveitar as taxas altas para investir, Idean recomenda alguns cuidados. Um deles é com os ativos ligados ao IPCA:

São ativos que estão com uma volatilidade implícita muito elevada e quanto mais a inflação reduzir, mais essa volatilidade vai aumentar, o que pode assustar muito os investidores“. 

Outro cuidado, segundo ele, deve ser com títulos pré e pós fixados muito longos, pois caso o investidor precise resgatar o dinheiro, só vai restar a opção de sair com deságio com o resgate antecipado ao longo do caminho. 

Leia mais   Reforma da Previdência: entenda o que vai mudar

Para Ricardo Jorge, especialista em e sócio da Quantzed, o ciclo de alta está chegando perto do fim. E atingindo esse ponto de inflexão, ativos prefixados acabam ganhando valor por conta da valorização à medida que o afrouxamento monetário ocorra daqui um tempo. 

“Difícil acertar o exato ponto em que a taxa Selic vai parar de subir. Vamos supor que o BC suba 50 p.p agora e afirme que ciclo terminou, o mercado vai reprecificar ativos de médio e longo prazo. É importante o investidor fazer a composição aos poucos antes de ter certeza do ponto de inflexão porque, se isso acontece, vamos deixar a taxa de rentabilidade na mesa“, recomenda.

Para montar a carteira, Ricardo Jorge sugere 60% dos investimentos em pós-fixados, 20% em prefixados e 20% em ativos atrelados ao IPCA. E por prazo máximo, indica no máximo 5 a 6 anos:

Se o investidor tem um ótimo planejamento financeiro, pode aplicar até 2029, por exemplo. Como temos uma taxa alta, se tiver bom planejamento, pode aproveitar essa taxa alta por mais tempo“. 

Recomendações no seu e-mail

Nossas redes:

Leia mais

Como empresas do setor agro podem captar recursos com a alta de juros

Guia do Investidor

Veja como fica o mercado de investimentos com a taxa Selic a 13,75%

Guia do Investidor

Desaceleração leva investidores para segmentos tradicionais, diz especialista

Guia do Investidor

Selic alta: hora da renda fixa?

Leonardo Bruno

Para onde vai a Taxa Selic e a Inflação no Brasil? Veja perspectivas

Autor Convidado

Ciclo de alta da Selic pode chegar ao fim? Veja o que diz especialista

Autor Convidado

Deixe seu comentário